17 novembro 2006

Pedrógão Grande e Figueiró dos Vinhos – Zona industrial única

Segundo entrevista recente de Rui Silva, Presidente da Câmara Municipal de Figueiró dos Vinhos, está iminente a criação de uma zona industrial única para os concelhos de Pedrógão Grande e Figueiró dos Vinhos. A mais provável localização da nova zona industrial será junto do nó do ic8 da Barraca, ou seja, junto ao nó do ic8 para Castanheira de Pêra. A justificação é simples, a localização mesmo junto ao iC8 é perfeita e é nesta zona que os concelhos de Pedrógão e Figueiró fazem fronteira.
A ideia é deveras interessante, pena pecar por ser tardia. Como já referi em vários artigos, sou a favor de todo o tipo de sinergias levadas a cabe pelos presidentes de Câmara destes três concelhos (Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande), pelo que lamento piamente que a Câmara Municipal de Castanheira de Pêra não esteja associada a este projecto, ainda por mais quando esta é a única Câmara que não possui uma zona industrial “palpável”. Será por uma questão de cor partidária que castanheira não engloba este projecto? Ou o seu elevado endividamento não lhe permite fazer um investimento desta envergadura? É pena!
Esperamos que esta ideia seja concretizada, a nossa região ficará a ganhar.
Zona industrial de Pedrógão Grande não para de crescer, a recente inauguração do In Car, espaço dedicado ao sector automóvel, com um stand automóvel, uma oficina auto e venda de pneus; a futura abertura da fábrica de canos; a nova localização da Expo Cabril, antiga Eduardo Luís & Simões, Lda; e a possível instalação do mini-mercado Natália nas antigas instalações da Eduardo Luís & Simões, Lda, junto à rodoviária, disso são exemplo.
Afinal nem só de más noticias vive o Homem!

11 comentários:

Anónimo disse...

É DE LOUVAR SEM DÚVIDA ESTA INICIATIVA DESTES DOIS MUNICIPIOS, MAS DAÍ ATÉ CRITICAR UM OUTRO CONCELHO QUE APESAR DE SER MAIS PEQUENO EM TERRITÓRIO E EM Nº DE MUNICÍPES, VAI UMA GRANDE DISTÂNCIA.
É QUE CASTANHEIRA DE PERA, APRESENTOU MAIS OBRAS NESTES ULTIMOS 8 ANOS DO QUE PEDRÓGÃO E FIGUEIRÓ JUNTOS NOS ULTIMOS 15 ANOS, E ESTÁ EM VIAS DE APRESENTAR MAIS, POIS FOI ASSINADO UM CONTRATO-PROGRAMA COM O GOVERNO PARA A EXECUÇÃO DA ESCOLA DE ENSINO BÁSICO INTEGRADO, E MUITAS OBRAS QUE NÃO VALE A PENA ENUMERAR, MAS QUE SÓ DEITAM POR TERRA A TEORIA DO ENDIVIDAMENTO.
OLHEM PARA O EXEMPLO QUE É CASTANHEIRA E COMENTEM DEPOIS, POIS NÃO FORAM PRECISAS ALIANÇAS COM OUTROS CONCELHOS PARA QUE O CONCELHO REALIZASSE OBRAS DE CARIZ LOCAL E ATÉ REGIONAIS.

tótó disse...

não é mt difici ver o q e a castanheira, mais dificil é pensar o q será da castanheira! devem pensar q vão viver do ar da serra e dos 3 meses da praia das rocas. vai cantando cigarra q já lá vem o inverno.

antonio disse...

A concretizar-se, é sem dúvida uma boa noticia para a zona, não somente para os dois concelhos envolvidos no projecto, mas para todos aqueles que possam beneficiar em termos de emprego, emprego este cada vez mais escasso por estas bandas.
Boa sorte ao projecto e aguardemos desenvolvimentos nesse sentido.
Quanto ás razões que poderão levar outro concelho a não integrar o projecto, creio ser de mau gosto a observação relativamente ao individamento e a não ter uma zona industrial "palpável".
A descrição do crescimento da, valha-nos deus, "zona industrial" de pedrógão grande, é no minimo ridicula na medida em que poucas ou nenhumas industrias lá estão sediadas, ou a laborar, e todos nós sabemos que a única vantagem daquele espaço foi retirar as oficinas de dentro da vila e concentrá-las nos arrebaldes.
Temos de ter um pouco de mais cuidado quando tentamos atingir os outros e temos telhados de vidro.

Anónimo disse...

Tem de haver é mais produçao de produtos e não fornecimento de serviços e venda de carros! De resto acho que é de louvar.

rmc_gonçalves disse...

mas anonimo, o que interessa não é criar empregos?

Anónimo disse...

A razão porque castanheira não entra no projecto é porque talvez esteja a pensar fazer uma zona industrial, ou talvez por outras razões que nós não saibamos, já agora o BIGORNA não comenta esta notícia porquê, talvez porque este tema não lhe interessa ou por que a questão não dá azo a criticas destrutivas e mesquinhas.

Anónimo disse...

1ª Pergunta: Castanheira vai cantando a cigarra, e os outros? Agora temos 3,5 meses de Verão em milhares de pessoas, antes tinhamos quantas? E os Concelhos vizinhos?

2º pergunta: Há quantos anos tem Castanheira de Pera saneamento básico na Vila? Só faltam 3/4 aldeias de resto tem tudo. E os vizinhos? Pois ...

3º Pedrógão e Figueiró podem fazer essa tal dita Zona Industrial. Figueiró já não tem uma a escassos metros? As empresas? Podem ficas com as de alcatrão e outras poluentes, a Castanheira não interessa, aliás essa zona industrial ficará mais perto de Figueiró que de Pedrógão, até mais perto de Castanheira que Pedrógão. Que interessa fazer um investimento se depois as pessoas nem passam pela Vila de Castanheira?

Juntem-se lá Pedrógão e Figueiró e façam alguma coisa, mas não se esqueçam, queZonas Industriais há muitas, Ansião, Proença e Sertã estão muito fortes, no mínimo terão de ser muito criativos para apelarem à fixação de empresas...

Cumprimentos

jf disse...

Caro Observador, parece-me ter havido um pequeno lapso nas suas palavras... Ouvi falar da possibilidade de o mini-mercado Natália ser transferido para aquelas que têm sido as instalações da Eduardo Luiz e Simões, Lda, visto que essa empresa, sim, terminou recentemente a sua transferencia para a zona industrial.

Gostava de sugerir aos habitantes dos nossos concelhos que se deixassem de rivalismos bairristas mesquinhos, pois, no mundo em que hoje vivemos essa atitude poderá manifestar-se altamente danosa para o desenvolvimento da nossa região.
Independentemente de quais os concelhos que participem no desenvolvimento e construção da dita zona industrial os habitantes dos três concelhos e provavelmente ainda Ansião e Sertã ficarão a beneficiar com ela, porque quando uma empresa se localiza num espaço é natural que os seus funcionários residam num raio de 30 ou 40 kms... Façam as contas e digam-me até onde isso nos leva...

As minhas melhores saudações.

Anónimo disse...

JF, mais importante que isso, é antes de criar a zona industrial arranjar interessados para lá se fixarem. É como quem cria uma empresa, antes de ser criada convém já ter pelo menos um cliente forte.

Falam em Zonas Industriais darem emprego, mas o essêncial é haverem condições e empresas que desloquem para lá e não apenas empresas dos concelhos se deslocarem para as zonas industriais logo ao lado. Basicamente foi isto que foi feito.

É como dizer que «fizeram a Praia das Rocas mas não fizeram os Hotéis» Querem começar uma casa pelo telhado ...

Cumprimentos

Polemicamente Correcto disse...

A ideia parece boa, no entanto e subscrevendo as ideias do último comentador, de pouco servirá se o seu resultado apenas se transcrever na deslocalização de empresas concelhias. Projectos como este devem ser bem pensados, de forma a criar sinergias que atraíam outras empresas, e que tornem mais rentáveis as já existentes. Pena é que no passado não se tenha chegado a um acordo do género, no que diz respeito um hipotético Hospital (SAP) que servisse os três concelhos.

jf disse...

Segundo se fala existem empresas interessadas em localizar-se na nossa região, desde que o tradicional incentivo dos terrenos a custo simbólico lhes seja oferecido. Claro que isso significa um enorme esforço financeiro por parte das autarquias, que, além de quase terem de cobrir os terrenos bem localizados com euros, ainda se vêem depois na necessidade de um grande investimento para dotar os espaços das infraestruturas necessárias (electricidade, água, drenagens, esgotos, pavimentos, etc). São custos por vezes incomportáveis, visto que é tudo a fundo perdido.

Se uma nova zona industrial servir também para as empresas da região se relocalizarem, isso não se pode considerar mau. Apesar de, pelo menos até a nova fábrica de pvc abrir, a ZI de Pedrógão Grande não se poder tomar como exemplo, a verdade é que algumas das empresas que se relocalizaram cresceram e admitiram mais funcionários. Não nego de modo algum que fazem falta empresas de grandes dimensões para dinamizar o mercado de trabalho.

Concordo plenamente que a Praia das Rocas nunca deveria ter aberto ao público sem ter infraestruturas hoteleiras de apoio. Do meu ponto de vista um parque de campismo teria sido uma excelente opção (pelo menos inicialmente), visto significar um investimento menos considerável do que um hotel e o campismo e caravanismo ter cada vez mais adeptos com significativo poder de compra.

Quanto ao falado hospital multi-concelhio, parece-me que só não foi construído devido a decisões do governo central que não me sinto com capacidade para discutir. Ouvi falar que com a nova organização que querem implantar na saúde da nossa região vão obrigar os nossos doentes a irem à Sertã para uma consulta de urgencias e se lá o problema for considerado relativamente simples serão reencaminhados para Castelo Branco. Se em Castelo Branco surgirem novas complicações serão re-reencaminhados para Coimbra, ou seja, estão a condenar alguns de nós a mortes prematuras, com os tempos necessários para todas estas deslocações, enfim, tudo em prol do desenvolvimento do país. Já agora, lanço aqui o apelo à administração do blog para que traga este assunto à praça pública, visto tratar-se de um problema grave para todos, se se confirmar.