05 março 2006

Há escolas primárias em risco de fechar

Segundo o sindicato dos professores da região centro (SPRC), haverá uma redução substancial das escolas primárias (1º ciclo) dos nossos concelhos já para o próximo ano lectivo. Apesar de não ser oficial, o sindicato alega que no concelho de Pedrógão Grande serão encerradas 4 das 7 escolas existentes, em Castanheira de Pêra serão encerradas 3 das 5 escolas actualmente activas e em Figueiró dos Vinhos serão encerradas 4 de um total de 10. O governo justifica e garante que estes encerramentos só se concretizarão em escolas isoladas, sem alunos e onde as condições de aprendizagem e de infra-estruturas sejam precárias. Uma medida que devemos louvar, pois como é sabido, há escolas com péssimas condições e recursos muito escassos. Veremos no entanto se o governo terá só como ideia o real beneficio das nossas populações e alunos, ou se esta medida não se limitará somente a trazer benefícios económicos à tutela. Um corte desenfreado e irresponsável por parte do executivo traria graves consequências para os já fragilizados concelhos do interior, desertificação e o envelhecimento a médio curto prazo das nossas aldeias seriam inevitáveis.

4 comentários:

alertaconstrutiva disse...

É obvio que todos gostariamos de ter uma escola ao pé de casa. Também é obvio que todos gostariamos que as nossas crianças tivessem as mesmas condições, a mesma comodidade, que todas podessem disfrutar de piscinas, alimentação condigna, de melhores professores e acompanhamento pedagógico, de boas condições para praticar desporto, em fim, um rol de actividades e condições que são de todo impossíveis de ter em todas as escolas. Quando falo em impossíveis, não me refiro só à falta de orçamento, e ao esforço das autarquias (que é de louvar), mas especialmente ao facto de considerar impossível que escolas com meia dúzia de alunos possam trazer benefícios em termos futuros às crianças que as frequetam, num mundo onde a competição aperta cada dia que passa.
Penso que temos de ser coerentes e que a melhor solução passa por compreender cada caso, de verificar capacidade e viabilidade para oferecer o melhor ás crianças. quando uma escola, em conjunto com os apoios atárquicos e estatais não consegue oferecer as mesmas condições (a todos os níveis) é preferivel encerrá-la, para bem de todos nós.

limpysweet disse...

Já há poucos professores no desemprego, mais desemprego. É uma vergonha.

zé da horta disse...

Ainda hoje deu uma noticia na televisão de uma escola com 11 alunos que é um caso de sucesso.

Anónimo disse...

zé da horta, é um caso em muitos. Conheço o concelho de pedrógão grande, pq moro lá, e julgo que podiam fechar as ecolas todas e abrir só uma na sede do concelho. para que uma escola em vila facaia e outra na graça, com uma duzia de alunos cada?! Só para os presidentes da junta ficarem satisfeitos? No secundário já é assim que acontece, temos de nos modernizar e não ficar agarrados ao passado. Escola única para já!